O melhor do esporte é aqui !

CURTA A FANPAGE NO FACEBOOK

domingo, 21 de setembro de 2014

Talita e Larissa chegam à 25ª vitória seguida e são campeãs em Niterói Dupla bate Juliana e Maria Elisa, fatura quarto título em seis etapas e segue invicta na temporada 2014/15. Maria Clara e Carol ficam na terceira colocação

Por Niterói, RJ

Nem a chuva, nem a grande atuação de Juliana e Maria Elisa foram capazes de frear Talita e Larissa. Em mais uma exibição de gala, a sul-mato-grossense e a capixaba ampliaram o histórico de vitórias sobre as ex-parceiras (22/20 e 21/13), chegaram à marca de 25 triunfos consecutivos e conquistaram o título do Open de Niterói, segunda etapa do Circuito Brasileiro de vôlei de praia 2014/15. Maria Clara e Carol venceram Ágatha e Bárbara Seixas por 2 sets a 0 (21/15 e 21/18) e completaram o pódio.
Esta foi a quinta vitória de Talita e Larissa sobre Juliana e Maria Elisa em cinco confrontos. Também foi o quarto título da parceria em seis etapas disputadas, com 100% de aproveitamento no Circuito Brasileiro.
- Mais uma etapa que conseguimos nosso objetivo de jogar bem e chegar ao título. Acho que a construção do nosso time está sendo feito passo a passo. Neste domingo, o objetivo era se concentrar muito. Eu sabia que elas iam sacar em mim o jogo inteiro e que teria que ser eu contra ela. Eu me concentrei para isso e foquei na virada de bola. Graças a Deus deu certo – disse Larissa, eleita a melhor jogadora da final.
talita e larissa open de vôlei de praia de niterói (Foto: Paulo Frank/CBV)Talita e Larissa comemoram mais um título (Foto: Paulo Frank/CBV)
Talita e Larissa têm atuação de gala
Com a estratégia de forçar o jogo sobre Larissa, Juliana e Maria Elisa largaram bem em boa passagem da atleta fluminense pelo saque. Firme junto à rede, Juliana foi a responsável por alagar a vantagem para três pontos: 8 a 5. Após bola fora de Larissa, o técnico Reis Castro pediu tempo. As orientações surtiram efeito e,  ao final de um belo rali, Talita largou para empatar em 10 pontos. A virada veio pelas mãos de Larissa, e a técnica Letícia Pessoa pediu tempo. Talita, em bola de xeque, ampliou a margem para três pontos, mas Juliana e Maria buscaram o placar na garra e voltaram a virar. A dupla de azul retomou a dianteira em grande ponto de Talita. Juliana ainda salvou um set point, mas pecou na pontaria quando não podia e cedeu a parcial às rivais: 22/20.
O segundo set manteve o alto nível do anterior, com o placar muito parelho no princípio. Em bola fora de Juliana, a dupla de azul abriu dois pontos. A santista se desdobrou para apoiar Maria Elisa na defesa, e a dupla assumiu a dianteira. Uma boa sequência de Larissa, porém, voltou a reverter o placar. Precisas nos contra-ataques, as atletas de azul abriram 13 a 10, e Letícia Pessoa pediu tempo. A pausa não esfriou as rivais, Talita arrebentou no bloqueio e abriu cinco pontos de margem. Daí em diante, Larissa desfilou em quadra. Defendeu com maestria e usou toda sua gama de golpes para consolidar a vitória. Em um ponto de saque, Talita selou o título: 21/13.

pódio feminino etapa de niterói vôlei de praia (Foto: Paulo Frank/CBV)O pódio da etapa de Niterói do Circuito Brasileiro (Foto: Paulo Frank/CBV)

Massa faz o "impossível" e leva pneus até o fim: "Tive que guiar como vovó" Brasileiro brinca após após risco de não concluir a prova, por problemas nos pneus

Por Cingapura

Logo depois de conseguir a façanha de completar o GP de Cingapura em quinto após ter parado nos boxes pela última vez na 22ª das 60 voltas,  Felipe Massa, da Williams, tratou com bom humor o risco de não concluir a corrida deste domingo, vencida pelo inglês Lewis Hamilton. Durante a prova, entrevistado pela TV Globo, Paul Hembery, diretor esportivo da Pirelli (fornecedora de pneus da Fórmula 1), disse que seria "impossível" o brasileiro levar o carro até o fim com o mesmo jogo de pneus, em razão do desgaste. Além de não só terminar a prova, mas conseguir um expressivo lugar, Felipe disse, em entrevista ao repórter Marcelo Courrege, que precisou guiar "igual a uma vovó", explicando que precisou pilotar com um cuidado extremo, para não prejudicar mais os pneus (confira no vídeo acima).
- Em primeiro lugar, neste mundo, eu acho que nada é impossível. Foi possível, e quando a minha equipe falou que eu deveria ir até o final com aquele pneu, eu dei risada. Eu achei que era praticamente impossível. Dali para frente, eu comecei a guiar "como uma vovó", para falar a verdade, saindo da curva, trocando logo de marcha, tentando não destracionar o pneu traseiro, e deu certo, chegamos no fim e marcamos bons pontos. Pena que meu companheiro, no fim, teve problemas, senão os pontos seriam mais importantes ainda em nossa luta com a Ferrari - afirmou o brasileiro.
Pit stop de Felipe Massa durante o GP de Cingapura (Foto: Divulgação)Pit stop de Felipe Massa durante o GP de Cingapura (Foto: Divulgação)
Companheiro de equipe do brasileiro, Valtteri Bottas tentava façanha parecida - havia parado na 23ª volta. Porém, não teve o mesmo sucesso. Na última volta, estava em sexto, mas não resistiu à pressão do pelotão que segurava, e despencou para 11º, saindo de Marina Bay sem pontos. 
Com o resultado de seus pilotos em Cingapura, a Williams manteve a terceira colocação no Mundial de Construtores, mas viu a Ferrari, quarta colocada, diminuir a desvantagem de 15 para oito pontos com o quarto lugar de Fernando Alonso e o oitavo de Kimi Raikkonen. Restando cinco etapas para o fim do campeonato, o time inglês possui 187 pontos, contra 178 da escuderia italiana. Confira a classificação das equipes.
Felipe Massa mostra bom humor ao falar de quinto lugar em GP de Cingapura (Foto: Reprodução)Felipe Massa mostra bom humor ao falar de quinto lugar em GP de Cingapura (Foto: Reprodução)


Já Felipe foi aos 65 pontos no Mundial de Pilotos e se manteve na nona posição, aproximando-se de Jenson Button (McLaren) e Nico Hulkenberg (Force India). O novo líder é Hamilton, da Mercedes, que foi aos 241 e deixou o parceiro Nico Rosberg para trás. Veja a classificação completa.

Nico abandona, Hamilton vence em Cingapura e retoma ponta do Mundial Com problemas no câmbio, Rosberg larga dos boxes e deixa a prova no primeiro pit stop. Britânico chega a ser ameaçado por Vettel, mas vence. Massa chega em quinto

Por Cingapura


Na noite de Cingapura, a sorte iluminou Lewis Hamilton e deixou Nico Rosberg às escuras. Com problemas no câmbio de sua Mercedes, o alemão ficou parado no grid na saída para a volta de apresentação e precisou largar do pit lane. Na corrida, o drama persistiu: ainda com problemas, Nico arrastava-se na pista e mal conseguia acompanhar os últimos colocados. No primeiro pit stop, seu câmbio travou de vez e ele precisou abandonar. Dos boxes de Marina Bay, ele assistiu a Hamilton vencer uma corrida encerrada pelo limite de tempo e lhe tomar a liderança do Mundial de Pilotos. Restando apenas cinco etapas para o fim da temporada, o inglês chegou aos 241 pontos, enquanto Rosberg ficou estacionado nos 238. Confira a classificação completa. A Fórmula 1 volta daqui a duas semanas com o GP do Japão, na madrugada do domingo 5 de outubro (3h de Brasília).
Rosberg Formula 1 Cingapura (Foto: Getty Images)Dos boxes, Nico Rosberg assistiu a vitória de Hamilton em Cingapura (Foto: Getty Images)
Mas não pense que Hamilton teve vida fácil sem a presença de Nico na pista. O britânico liderava com tranquilidade até a metade da prova, mas a entrada do safety car na 31ª volta quase mudou a história da corrida. Enquanto alguns pilotos aproveitaram a paralisação para fazer um pit stop e outros já tinham usado os dois tipos de pneus e poderiam ir até o final, Lewis só havia utilizado os supermacios e era obrigado a fazer mais uma parada. Com isso, precisou pisar fundo para abrir vantagem para fazer o pit stop e voltar à frente de Sebastian Vettel, Daniel Ricciardo, da RBR, e Fernando Alonso, da Ferrari, que vinham logo atrás. O britânico levou os pneus até o limite, foi para os boxes nas voltas finais, mas acabou perdendo a ponta para o tetracampeão da RBR, que liderou uma prova pela primeira vez ano ano. Com compostos macios, porém, rapidamente deu o bote, reassumiu a primeira colocação, e venceu. Vettel e Ricciardo seguraram a pressão de Alonso e fecharam o pódio. 
Hamilton, Formula 1 Cingapura (Foto: Agência AFP )Hamilton comemora muito a vitória e a liderança do campeonato (Foto: Agência AFP )

Massa faz o "impossível", leva os pneus até o fim e chega em quinto
Felipe Massa terminou em quinto e foi um dos grandes destaques da prova. O brasileiro da Williams partiu da quinta colocação em razão do problema de Nico e chegou a perder posições para Kimi Raikkonen (Ferrari), Kevin Magnussen e Jenson Button (McLaren) na largada. Massa ultrapassou a dupla da McLaren na pista e superou o Homem de Gelo nos boxes. Durante a entrada do safety car, o paulista preferiu não fazer um terceiro pit stop e tinha o difícil desafio de levar os pneus até o fim por quase 40 voltas. Apesar do diretor da Pirelli dizer que era uma missão "impossível", Massa conseguiu a façanha. Seu companheiro Valtteri Bottas, que tentava o mesmo, não conseguiu. Na última volta, estava em sexto, mas não resistiu à pressão do pelotão que segurava, e despencou para 11º, saindo sem pontos. 
Outra sensação da prova, Jean-Eric Vergne apresentou uma pilotagem ousada, levou duas punições por exceder os limites da pista e mesmo assim levou a STR ao sexto lugar. Sergio Pérez (Force India), Kimi Raikkonen (Ferrari), Nico Hulkenberg (Force India) e Kevin Magnussen completaram a zona de pontuação.
A corrida: Rosberg fica parado no grid
O drama de Rosberg começou antes mesmo da largada. Durante as voltas de instalação, o alemão teve problemas no câmbio - não conseguia encaixar algumas marchas. Depois de passar nos boxes, alinhou no grid e os mecânicos continuaram desesperadamente tentando resolver o problema. Em vão, o carro de Nico ficou parado enquanto os demais saíram para a volta de apresentação. Rosberg foi empurrado para os boxes, trocou o volante e largou do pit lane, em último. Outro que também teve maus momentos antes do início da prova foi Kamui Kobayashi. Sua Caterham apresentou um problema na pressão do óleo, teve um princípio de incêndio e o deixou a pé.
Largada Formula 1 Cingapura (Foto: Agência AFP )Rosberg fica parado na saída para a volta de apresentação (Foto: Agência AFP )


Com a vida facilitada sem o principal rival ao lado, o pole Hamilton não teve dificuldades para manter a primeira posição. As RBR de Vettel e Ricciardo largaram mal e Alonso acabou tomando a segunda colocação, mas o espanhol retardou tanto a primeira freada que passou reto. Esperto, o piloto da Ferrari antecipou a direção de prova e devolveu a posição para Vettel, mas não para Ricciardo. Os comissários investigaram o incidente e decidiram não aplicar nenhuma punição.
Fernando Alonso cortou a pista na largada do GP de Cingapura (Foto: Getty Images)Fernando Alonso cortou a pista na largada do GP de Cingapura (Foto: Getty Images)

Partindo em quinto, Massa chegou a ser superado por Raikkonen e pelos pilotos da McLaren, mas Magnussen e Button acabaram se estranhando ainda na primeira volta e o brasileiro recuperou duas posições, ficando em sexto. Bottas completou a primeira volta em oitavo.
Hamilton liderava com tranquilidade com sete segundos de vantagem para Vettel, que era seguido por Alonso, Ricciardo, Raikkonen e Massa. Já Rosberg seguia com problemas no câmbio - suas marchas pulavam inesperadamente. O alemão virava na casa de 1m58s, contra 1m53s dos líderes, e tinha dificuldades até para acompanhar os carros das equipes nanicas. Em 10 voltas, Nico havia deixado para trás apenas a Marussia de Chilton, e se encontrava na 20ª colocação, sem conseguir ultrapassar a Caterham de Marcus Ericsson.
Massa abriu os trabalhos nos pits entre os ponteiros na 11ª volta. Raikkonen e Bottas foram para os boxes na passagem seguinte. A Williams fez um bom trabalho com o brasileiro, que ganhou a posição do finlandês da Ferrari. Já Bottas tomou a sétima colocação de Button, que havia retardado ao máximo sua parada.
Rosberg não consegue sair dos boxes e abandona
Arrastando-se na pista, Rosberg foi para os boxes na 16ª volta e trocou o volante, na esperança de resolver o problema no câmbio. Mas nada estava tão ruim que não pudesse piorar. O alemão não conseguiu sequer sair do neutro e precisou abandonar a corrida. Na 22ª volta, outro a deixar a prova foi Gutiérrez. O mexicano teve uma pane elétrica no motor de sua Sauber e deu chilique ao chegar nos boxes(vídeo abaixo).
A segunda rodada de pit stops começou na 23ª volta. A principal mudança ficou por conta de Alonso, que ganhou a segunda posição de Vettel nos boxes. Hamilton seguia líder com folga. Ricciardo era o quarto, enquanto Button, que tentava uma estratégia de uma parada a menos, vinha a seguir. Massa aparecia em sexto, acompanhado por Raikkonen, Bottas, Vergne e Magnussen.
Safety Car entra e quase muda história 
Na 31ª volta, o safety car fez jus à fama de Cingapura e precisou ser acionado. O motivo: Pérez foi tocado por Sutil, da Sauber, e quebrou o bico de sua Force India. Pedaços da peça ficaram espalhados na pista, podendo ocasionar furos de pneus e forçando a entrada do carro de segurança. Alonso, Button e Raikkonen aproveitaram a parada na prova para fazer mais um pit stop. Já Hamilton, Vettel, Ricciardo, Massa e Bottas preferiram seguir na pista. 
A classificação da corrida neste momento era: Hamilton, Vettel, Ricciardo, Alonso, Massa, Bottas, Button, Raikkonen, Vergne e Magnussen. Em uma relargada sem incidentes,  as posições no pelotão dianteiro não foram alteradas.
safety car , Formula 1 Cingapura (Foto: Agência AFP )Safety Car quase mudou a história da corrida (Foto: Agência AFP )

Ainda precisando fazer mais um pit stop, Hamilton começou a pisar fundo para tentar abrir vantagem e não ser surpreendido pelos rivais que trocaram os pneus durante o safety car e pelos outros que já haviam usado os dois compostos. Por volta, o inglês virava cerca de 2s5 mais rápido que os adversários, rapidamente criando uma grande margem na liderança. 
Em dez voltas após a relargada, Hamilton abriu 18s de vantagem sobre o segundo colocado Vettel, mas a diferença ainda era insuficiente para fazer um pit stop e retornar na ponta. Caso parasse nos boxes nesse momento, ele voltaria em quarto, atrás também de Ricciardo e Alonso. Quinto, Massa tentava economizar pneus para ir até o fim sem fazer outro pit stop. Seu parceiro Bottas vinha logo atrás.
Conforme seus pneus desgastavam, a diferença que Lewis abria por volta caía cada vez mais. O desafio do piloto era conseguir abrir os cerca de 30s, margem segura para retornar em primeiro.
Hamilton para no box e volta atrás de Vettel
Com pneus em frangalhos, o inglês foi obrigado a parar na 52ª volta e colocou um jogo de compostos macios. A Mercedes fez um bom trabalho nos boxes, e ele voltou atrás de Vettel, e logo à frente de Ricciardo e Alonso. 
Mas com pneus novíssimos, Lewis rapidamente colou no tetracampeão, que a essa altura tinha compostos muito desgastados. Na abertura da 54ª volta, o britânico deu o bote e retomou a liderança da corrida. Mais atrás, Massa tinha a missão facilitada por Bottas, que segurava um trenzinho formado por Raikkonen, Hulk e Vergne, e podia economizar seus pneus. Enquanto isso, a McLaren de Button dava pane e deixava o piloto na mão. 
Com a pista livre, Hamilton abriu vantagem. Mais longa corrida da temporada, a prova e estendeu com a entrada do safety car e precisou terminar com uma volta a menos, por ter estourado o limite de tempo de duas horas. O inglês recebeu a quadriculada 13s antes de Vettel e Ricciardo, que conseguiram segurar a pressão de Alonso, e fecharam o pódio. Massa conseguiu a façanha de administrar os pneus e levá-los até o fim e cruzou em quinto. Já Bottas tentou enquanto pôde, mas não foi capaz de segurar a sexta posição. Na última volta, o finlandês arrastou-se até a bandeirada, sendo superado por Vergne, Pérez, Raikkonen, Hulk e Magnussen, fechando em 11º, saindo da zona de pontuação.
Resultado final:

1)    Lewis Hamilton    Mercedes    2h00m04s795
2)    Sebastian Vettel    RBR/Renault    13s534
3)    Daniel Ricciardo    RBR/Renault    14s273
4)    Fernando Alonso    Ferrari    15s389
5)    Felipe Massa    Williams/Mercedes    42s161
6)    Jean-Eric Vergne    STR/Renault    56s801
7)    Sergio Perez    Force India/Mercedes    59s038
8)    Kimi Raikkonen    Ferrari    1m00s641
9)    Nico Hulkenberg    Force India/Mercedes    1m01s661
10)    Kevin Magnussen    McLaren/Mercedes    1m02s230
11)    Valtteri Bottas    Williams/Mercedes    1m05s065
12)    Pastor Maldonado    Lotus/Renault    1m06s915
13)    Romain Grosjean    Lotus/Renault    1m08s029
14)    Daniil Kvyat    STR/Renault    1m12s008
15)    Marcus Ericsson    Caterham/Renault    1m34s188
16)    Jules Bianchi    Marussia/Ferrari    1m34s543
17)    Max Chilton    Marussia/Ferrari    1 volta
-    Jenson Button    McLaren/Mercedes    Abandonou
-    Adrian Sutil    Sauber/Ferrari    Abandonou
-    Esteban Gutierrez    Sauber/Ferrari    Abandonou
-    Nico Rosberg    Mercedes    Abandonou
-    Kamui Kobayashi    Caterham/Renault    Não largou
Circuito gp de cingapura  (Foto: Editoria de Arte)

Martine Grael e Kahena Kunze são campeãs mundiais na classe 49er FX Dupla brasileira termina prova em terceiro, à frente de Ida Marie Nielsen e Marie Olsen, da Dinamarca, tira vantagem das rivais e acaba com a medalha de ouro

Por Santander, Espanha

Foi a única medalha do Brasil no Mundial de Vela, em Santander, na Espanha, mas foi justamente a dourada. Martine Grael e Kahena Kunze fizeram uma prova de superação, usaram o vento a seu favor no final e, apesar de terminarem a regata em terceiro, sagraram-se campeãs mundiais na classe 49er FX. Ida Marie Nielsen e Marie Olsen, da Dinamarca, foram as quartas colocadas e, assim, ficaram em segundo na classificação geral, atrás apenas das brasileiras. Na regata deste domingo, as alemãs Victoria Jurczok e Anika Lorenz ficaram em primeiro, Annemiek Bekkering e Annette Duetz, da Holanda, terminaram em segundo.
- Foi difícil, pois o vento estava bastante rondado, mas sabíamos tudo o que estávamos fazendo - disse Martine. 
- Foi muito bom disputar esta regata com tanta gente torcendo por nós. Foi emocionante - completou Kahena.
Martine Grael e Kahena Kunze, Mundial de Vela (Foto: Agência EFE)Martine Grael e Kahena Kunze levam o ouro na Espanha (Foto: Agência EFE)


Nesta sexta-feira, a dupla brasileira havia assumido a segunda colocação geral da categoria, com dez pontos atrás das dinamarquesas Ida Marie Nielsen e Marie Olsen. Neste domingo, entraram na água sabendo que precisariam bater as atletas europeias para tirar essa diferença. E foi o que elas fizeram. No fim das contas, se abraçaram muito e se atiraram na água para festejar.
No mês passado, as brasileiras levaram a medalha de ouro da classe 49er FX do Aquece Rio International Regatta, na Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro, que foi o primeiro evento-teste para os Jogos Olímpicos de 2016.
Martine Grael e Kahena Kunze campeãs mundiais de vela (Foto: Divulgação)Martine Grael e Kahena Kunze comemoram título com a bandeira do Brasil (Foto: Divulgação)


ROBERT SCHEIDT FOI O MELHOR ENTRE OS HOMENS
O veterano Robert Scheidt foi o melhor brasileiro no Mundial de Vela, terminando na quinta colocação da classe Laser Standard. Durante a fase final, ele foi desclassificado de uma das regatas por largar escapado, o que o deixou fora da briga por medalhas.  
- A desclassificação prejudicou bastante o resultado final, pois eu tive que somar um 20º lugar na regata seguinte e descartar esta bandeira preta. Foram 10 pontos a mais que podiam ter feito a diferença - concluiu.
CONFIRA OS RESULTADOS DO BRASIL

49er FX:
1.Martine Grael e Kahena Kunze
36. Juju Senfft e Gabriela Nicolino

49er:
30. Marco Grael e Gabriel Borges
56. Dante Bianchi e Thomas Low-beer

470M:
38. Geison Mendes e Gustavo Thiesen
48. Henrique Haddad e Bruno Bethlem
60. Tiago Brito e Andrei Kneipp

470F:
12. Renata Decnop e Isabel Swan
13. Fernanda Oliveira e Ana Barbachan

Finn:
38. Jorge Zarif

Laser Standard:
5. Robert Scheidt
12. Bruno Fontes
69. Alex Veeren

Laser Radial:
29. Fernanda Decnop
64. Tina Boabaid
79. Odile Ginaid

Nacra 17:
44. Samuel Albrecht e Georgia Silva
48. João Bulhões e Juliana Mota

RS:XM:
15. Ricardo Winicki
43. Albert Carvalho
71. Gabriel Bastos

RS:XF:
14. Patricia Freitas
31. Bruna Martineli

Teresina sedia jogos da Liga Nordeste de Handebol

Teresina (PI) sedia de hoje (19) até domingo (21) jogos da Liga Nordeste de Handebol. Os jogos acontecerão no ginásio do setor de esportes da UFPI, zona Leste da capital. 

Equipes do Ceará e Piauí entram em quadra. A competição terá sequência com jogos de outros grupos em datas futuras. 

Veja a tabela de jogos:

Feminino - grupo A
Sexta-feira (19)
19h30 Fortaleza/IFCE (CE) x ADAHA (CE)

Sábado (20)
16h30 ADAHA (CE) x UFPI/Unidos (PI)

Domingo (21)
10h30 UFPI/Unidos (PI) x Fortaleza/IFCE (CE)

Masculino - grupo A
Sexta-feira (19)
21h - UFPI/Unidos (PI) x Handebol Maracanã (CE)

Sábado (20)
18h - Morada Nova (CE) x Handebol Maracanã (CE)

Domingo (21)
12h - UFPI/Unidos (PI) x Morada Nova (CE)

Na Esportiva

River no "Grupo da Morte" ou no melhor grupo da Copa do Nordeste?

Marlon Costa/FPF

Não bastasse perder quatro pontos na Série D do Brasileirão, o River ainda caiu no "Grupo da Morte" da Copa do Nordeste 2015. Ou talvez, o grupo dos melhores jogos para o Galo.

O sorteio foi ontem me Recife (PE) e definiu as chaves no novo formato da competição agora com cinco grupos em razão da entrada de clubes do Piauí e Maranhão. 

Com isso, a classificação também fica mais difícil. Só avançam o primeiro colocado de cada grupo e os três melhores segundos colocados. 

Para o River, cair no grupo com Botafogo (PB), Fortaleza e Ceará (CE), a classificação para a fase seguinte se torna mais difícil, mas fica a certeza de grandes jogos pela frente. 

O principal clube no grupo do Piauí é o Náutico (PE). Diante de Moto Club (MA) e Salgueiro (PE), o segundo representante piauiense fica, em tese, com mais chances de avançar que o River. 

Na prática, o jogo é jogado e o lambari é pescado. Aguardemos a tabela de jogos e o início do torneio em fevereiro.

Grupo A: Vitória, Serrano-BA, Confiança-SE e América-RN.

Grupo B: Sport, Socorrense-SE, Coruripe-AL e Sampaio Corrêa.

Grupo C: Náutico, Piauí, Moto Club-MA e Salgueiro.

Grupo D: Ceará, River-PI, Botafogo-PB e Fortaleza. 

Grupo E: Bahia, Globo-RN, Campinense e CRB.

Na Esportiva

Joseanne e Fabrício levam prata no Brasileiro Sub-23 de judô


Após 20 horas de viagem de ônibus, os piauienses Joseanne Fernandes (48kg) e Fabrício Alves (60kg) foram recompensados com a medalha de prata no Campeonato Brasileiro Sub-23 de Judô. O torneio é disputado no ginásio Nélio Dias, em Natal (RN), até domingo (21). 

Joseanne Fernandes passou por Patrícia da Silva (CE) na estreia, com Ippon. Foi beneficiada nas quartas-de-final com a saída de Ana Martins (RS). Na semifinal, derrotou Lucia Oviedo (SC) por Ippon. Na disputa pelo ouro, acabou vencida por Bianca Gonçalves (RJ). 

Fabrício Alves começou o dia batendo Raul Feitosa (RR) e Gabriel Silva (MS). Na semifinal, passou por Victor Kaminari (PR) - até então, todas as vitórias por Ippon. Na decisão,  Luiz Filipe Henriques (RJ) ficou com a vitória e o ouro. 

Os campeões de cada categoria terão vaga na seletiva nacional Rio 2016, que reunirá os melhores do ano em busca de uma vaga no ciclo olímpico. Mesmo sem o ouro, os piauienses ainda podem ser convidados caso o mesmo atleta tenha ganho mais de um dos torneios classificatórios.

Na Esportiva